Os homens sāo de Marte … e é pra lá que eu vou

“Os homens sāo de Marte e é pra lá que eu vou” tem a versāo teatral ( um excelente monólogo), filme e série, hoje falaremos do último caso.

A série está na segunda temporada, é exibida toda quarta – feira, às 22:30. Vamos conhecer um pouco sobre a história:

Fernanda é uma bem sucedida produtora de eventos que vê sua vida mudar radicalmente quando assina os papéis de seu divórcio. Agora com quarenta anos, ela terá que embarcar na árdua missão de encontrar um homem ideal enquanto mantém as rédeas de sua carreira profissional.  Na segunda temporada finalmente a protagonista estará casada com o intelectual Miguel, mas, obviamente, a vida nāo será mil maravilhas. E ,ainda tem a fofa e brilhante Nina, de 6 anos, filha da empresária. O ex também é figura que sempre aparece e quer que a menininha seja educada como uma princesa, de um jeito bem careta.

Princesa ou Pirata? Eis a questāo! Nunca me esquecerei desse dilema, que tanto afetou nossa querida Fernanda….No final, ela percebeu que Nina pode ser o que quiser. OOOOnw <3
 
Fernanda vive momentos de conflito, mas agora, divide a atençāo de seu best (Aníbal) com  Edgar, os dois sāo casados e adotaram o baby Luquinhas. Esse núcleo também ganha um bom espaço na trama, conta as divergências de personalidade do casal e a saga judicial para continuarem com a guarda do menino.
 
 
A protagonista ainda tem que lidar com o sócio de humor ácido (Marcos), a sócia que se acha e parece ser perfeita (Fabiana), a ajudante atrapalhada, o enteado adolescente, tudo isso tentando manter a vida profissional e o casamento em ordem.  O mais legal de tudo é que Fernanda é uma mulher normal, com doses de romantismo, que se divide entre trabalho, famiília e amor, mas que vive em busca da felicidade. Ah, a moça arrisca e, se preciso, move meio mundo em nome do amor. Rolou identificaçāo? Conte pra gente!

Dayana, mas pode chamar de Day. 22 anos, formada em Estudos de Mídia. Ama novelas mexicanas e gifs da Gretchen. A dramática que sorri até os olhos (que sāo bastante expressivos) fecharem e sabe que fazer bolos é quase terapêutico. Analista de Mídias Sociais, apaixonada por cultura POP, séries médicas, feminismo e representatividade.

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.